Hermenegildo Neto

E agora José?

Textos

Meu Brasil
Minha pele é de todas as cores
Meu Rock vai de clássico à pauleira
Sou filho da cidade onde há goiabeiras
Sou a cara da diversidade!
Sou do campo
Onde nascem os girassóis
Gosto de qualquer prosa sobre “nóis”
Sou da cidade
Falo português
Português difundido com Tupi
Não há beleza na linguagem de todo o mundo
Como aqui.
Meu tio é caminhoneiro,
Meu pai colhe café,
Meu avô produzia leite.
Sou descendente da Nativa pêga à laço
Aqueles que carregam o verde em seus braços
Que têm a cara e a coragem
De vestirem verde e amarelo
Que tingem a pele parda de vermelho vivo
Para protegerem Abá*.
Caminho pelas estradas de ferro
E quando o calor do sertão me dá sede
Eu me achego até Francisco e me refresco
Assim viajo inda mais
Vou de Drumomnd à Vinicius de Moraes
Tropeço em Pixinguinha
Passo por todos os Vales
Subo no pico mais alto, neblina
Avisto as capitanias que hoje jaz.
Aquela época sofrida
Onde a açúcar era o preço de uma vida
Vida nativa, vida trazida
Afros-brasileiros que hoje somos nós.
Conheci um reinado trapaceado
Quando Brasil pertenceu a si mesmo
Conheci o escravo enganado
Que mesmo depois de liberto
Continuara escravizado.
Devo a ele minha terra hoje.
Hoje esta terra é,
Onde o amor não tem forma física
Onde os olhos veem o lado de dentro.
Vou até aos Anos Dourados
Me perco no tempo
Passeio por Brasília
A que tomou a realeza do Rio.
Tudo isso é meu, tudo isso é nosso
O meu sangue é como ‘brasil’ em Tupi-Guarani
Vermelho como brasa
Mas a minha fisionomia é diversa.



* Prefixo e sufixo da língua tupi-guarani que exprime a idéia de: o homem,a gente,a raça.
(abaetê;abaré;abaçaí;abuna;marabá
Fonte: http://tupi.fflch.usp.br/vocabulariotupiportugues
Hermenegildo
Enviado por Hermenegildo em 20/04/2020


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras